Resenha: Dias Perfeitos

quarta-feira, 25 de maio de 2016


  Sinopse: Téo é um solitário estudante de medicina que divide seu tempo entre cuidar da mãe paraplégica e examinar cadáveres nas aulas de anatomia. Durante uma festa, ele conhece Clarice, uma jovem de espírito livre que sonha tornar-se roteirista de cinema. Ela está escrevendo um road movie sobre três amigas que viajam em busca de novas experiências. Obcecado por Clarice, Téo quer dissecar a rebeldia daquela menina. Começa, então, uma aproximação doentia que o leva a tomar uma atitude extrema. Passando por cenários oníricos, que incluem um chalé em Teresópolis e uma praia deserta em Ilha Grande, o casal estabelece uma rotina insólita, repleta de tortura psicológica e sordidez. O efeito é perturbador. Téo fala com calma, planeja os atos com frieza e justifica suas atitudes com uma lógica impecável. A capacidade do autor de explorar uma psique doentia é impressionante – e o mergulho psicológico não impede que o livro siga um ritmo eletrizante, repleto de surpresas, digno dos melhores thrillers da atualidade. Dias perfeitos é uma história de amor, sequestro e obsessão. Capaz de manter os personagens em tensão permanente e pródigo em diálogos afiados, Raphael Montes reafirma sua vocação para o suspense e se consolida como um grande talento da nova literatura nacional.


Ficha Técnica:
Autor: Raphael Montes
Título: Dias Perfeitos
Editora: Companhia das Letras
Avaliação Final: 3/5   ♥♥♥
Lido em pdf

Minha Opinião: Muito tinha ouvido falar desse escritor, e ainda não tinha lido nada dele.

Não sei bem o que dizer da história. Não é que eu esperava algo diferente, porém na maior parte foi morna a leitura. Não gostei do final, espera que a história tivesse uma reviravolta melhor. Mas antes de falar sobre isso, vou falar um pouco melhor a respeito da história.

Téo levava uma vidinha pacata indo pra faculdade de medicina e cuidando da mãe cadeirante até conhecer em um churrasco Clarice. Depois que pôs os olhos nela, tendo uma breve conversar, ele praticamente ficou obcecado. Deu um jeito de descobrir onde ela estudava, passou a segui-la na vão esperança de ter um encontro meio que por obra do acaso. E quando enfim ele consegue novamente conversar com ela  que o rejeita  tudo muda drasticamente.

Não sou de gostar de personagens que de uma forma não explícita acaba sempre se favorecendo na história, e Téo é um deles. Além de ser extremamente machista. O que me fez lembrar um pouco de Norman Bates de Psicose. Ambos cuidam da mãe, e mesmo fazendo o que a mãe pede, eles tem pensamentos ruim sobre elas. A comparação acaba aqui.

Outra coisa que me custou acreditar na história foi o fato de que Téo carrega a Clarice dentro de uma mala, é claro que ela está desacordada por causa dos sedativos que ele dar nela, mesmo assim achei estranho esse fato.

Clarice antes se mostrava uma mulher muito forte, o que de fato era apenas um disfarce porque ela deixou a desejar. Principalmente quando um acontecimento em questão muda os fatos, e foi quando eu fiquei esperando que a história me ganhasse, mas nem isso ocorreu. Acabei ficando com ódio de todos os personagens, todos.

Não gostei do final. Quando comecei a perceber que seria aquele mesmo me desanimou muito. Esperava algo que mudasse bastante a história, na verdade eu esperei uma reviravolta quase que o livro todo. Mas é muito bem escrito, isso não posso deixar de ressaltar, porém não me agradou.

Uma das coisas que estava pensado depois que terminei de ler é que a história apesar de ser fictícia ela se parece muito com milhares de história reais. O comportamento do Téo se assemelha a milhares de comportamentos que vemos em reportagem na tv, o que na maioria das vezes não são boas noticias. Téo não aceita uma rejeição e por isso tenta de todas as formas mostrar pra Clarice que ele a ama e só por isso, apenas por isso eles tem que ficar juntos. Custe o que custar. 

Por causa disso é que não gostei do final, não achei justo, não me conforme e não aceitei ainda.


É isso, espero que tenham gostado.
Um beijo.

12 comentários:

  1. Oi, Dany!
    Eu li O Vilarejo e adorei. Ainda não li esse livro, mas já vi que ele gera opiniões divergentes.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda quero ler O Vilarejo. Deste eu só tinha lido resenhas positivas, depois que li e fui procurar por outras é que notei que realmente tinha opiniões divergente. Mas recomendo que leia, como você gostou do outro provavelmente gostará deste também.
      Beijos

      Excluir
  2. Oi,

    Amei a resenha!

    Abraços...

    http://blogmichaelvasconcelos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Não conhecia esse autor, mas só pela sinopse já vi que não seria um livro que me agradaria, não gosto de histórias muito pesadas assim. Uma pena que o livro te desapontou.
    Beijos
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela é um pouco pensada sim, mas pretendo ler outro livro dela. Pode ser que assim eu goste de outra já que está não me agradou tanto.
      Beijos

      Excluir
  4. oooi!
    eu tenho ouvido falar tão bem desse livro, o kleber do mundo paralelo disse que amou e agora me vem você pra me deixar na dúvida, esse livro tá na minha wishlist há um bom tempo, quero lê-lo princialmente porque é um nacional. bela resenha.
    bjs xxx
    http://lendocomela.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada ;)
      Eu queria ler ele justamente porque só via elogios, mas não foi tudo aquilo que eu imaginava. Mesmo assim, recomendo que leia. Pode ser que você goste.
      Beijos

      Excluir
  5. Fiquei curiosa
    http://retromaggie.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  6. Olá Dany!
    Já vi muitas resenhas que divergem quanto à este livro, por isso fico em dúvida se leio ou não... A vontade é grande, mas tenho receio de comprar e me arrepender!
    Gostei da sua resenha!!
    Beijos

    www.blogleituravirtual.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu recomendo, pode ser que você acabe gostando e muito. Por isso, vale a pena arriscar.
      Beijos

      Excluir